quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Cancro da mama diagnosticado pela... saliva!

Cancro da mama diagnosticado pela... saliva!
Saiba como
Cientistas da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, analisaram as secreções orais de 30 pacientes e encontraram 49 proteínas que permitem diferenciar as mulheres saudáveis das que têm tumores mamários.

Esta descoberta abre o caminho para que se desenvolvam métodos de diagnóstico mais simples e baratos do que as actuais mamografias, ultra-sons e biópsias de tecido e permite ainda identificar a doença precocemente numca consulta de dentista. Com esta nova análise também se conseguiram distinguir os tumores da mama malignos dos benignos. Neste momento, os cientistas estão a estudar a sua aplicação na detecção de outros tipos de cancro.




Bolhas explosivas contra tumores
Novo aparelho norte-americano evita cirurgia
Cientistas do Hospital Churchill e da Universidade de Oxford (EUA) construíram um aparelho que transmite ondas de ultra-sons intensos para o corpo do paciente com o objectivo de gerar centenas de bolhas no local onde o tumor está localizado.

Depois, essas bolhas são rebentadas e, quando explodem, libertam energia sob a forma de calor, servindo para eliminar as células malignas. Os ensaios clínicos do ultra-som de alta intensidade vão ser efectuados em pacientes com cancro no rim e no fígado. Este novo método evitará a cirurgia.




Técnica pioneira para remover cancro da mama
Foi desenvolvida em Espanha e utiliza uma câmara de raios
O Hospital Clínico de Barcelona foi pioneiro na utilização uma nova técnica que permite remover cancros da mama praticamente invisíveis a olho nu.

A nova técnica consiste numa pequena câmara de raios gama que permite aos cirurgiões ver enquanto operam os tumores não palpáveis e avaliar, desta forma, a margem de extirpação de tecido mamário afectado.




Diagnosticar o cancro da mama
Novo ultra-som poderá reduzir número de biópsias mamárias
Uma nova tecnologia de ultra-sons da Siemens Medical Solutions, denominada eSie Touch Elasticity Imaging permite gerar um elastograma que ilustra a rigidez relativa do tecido comparado com o tecido envolvente, o que representa um enorme avanço no diagnóstico do cancro da mama.

Os médicos esperam que este novo método, suplementar aos exames regulares por ultra-som, forneça uma diferenciação relevante entre tecido benigno e maligno. Neste momento, o método está a ser testado com resultados promissores e espera-se que reduza o número de biópsias mamárias desnecessárias




Pode não haver uma sem duas!
Aprovado o primeiro teste para prever a recidiva do cancro da mama
Um novo exame genético pode prever se uma mulher com cancro da mama pode ter uma recidiva. O exame, desenvolvido por cientistas holandeses, avalia o padrão de actividade de 70 genes concretos num cancro da mama depois de extraído através de cirurgia.

Este novo exame ajuda médicos e pacientes a decidirem se algumas mulheres podem evitar a quimioterapia e os subsequentes efeitos secundários.



Quimioterapia à la carte
Nova análise genética permite antecipar reacções dos doentes aos tratamentos
Alguns laboratórios de Navarra, no norte de Espanha, estão a aplicar uma nova análise genética que personaliza a quimioterapia, melhorando a eficácia terapêutica e minimizando a sua toxicidade.

Esta técnica permite identificar determinadas alterações nos genes, a partir do estudo do tumor e antes de aplicar o tratamento no paciente, e prevê a resposta aos fármacos em caso de cancro do pulmão ou do cólon.

Desta forma, pode-se saber antecipadamente quem responderá melhor a um determinado tipo de terapia e qual o melhor conjunto ou combinação de fármacos para actuar em determinados tumores cancerígenos.

4 comentários:

Nela disse...

Beijinhos e obrigada por partilhares a informação.

Querubim disse...

De nada :) é sempre importante sabermos que estão a ser descobertas novas agora é esperar que venham bem rápido para o nosso País. Beijinhos

Isa disse...

é bom saber que continuam na investigação dos cancros, e que a curto prazo, algumas tecnicas que parecem bem melhores que as actuais, podem ser usadas assim como minimizar os sintomas da quimio.beijinhos para ti lina

Querubim disse...

Beijokas para as duas oh Ninas quando não entenderem o que escrevo digam, é desde a operação nunca tinha sido anestesiada e mexeu com a minha carola esqueço tudo,como palavras,troca letras a escrever,julgo que digo e ñ digo,faço coisas e esqueço que faço aiiiiii...espero vir a recuperar!